Pages

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Momento mata minha sede


Tem como não querer matar a sede COM ESTE HOMEM com este refrigerante?

quarta-feira, 26 de maio de 2010

PERDIDO!


Eu assisti a primeira temporada de Lost e fiquei doido para tentar achar uma resposta para aquilo. Fica tentando encontrar as respostas, mas sempre me perdia quando eu via coisas inexplicáveis acontecendo. Puta-que-pariu! Decidi parar no final da primeira temporada e só voltaria a assistir, todas as temporadas, quando chegasse REALMENTE ao final da série.
Ontem, antes das 20h, eu estava em crise, tentando decidi se assistia ao Recap de Lost no AXN, ou SE baixava todas as temporadas e assistia. Mas eu não resisti. "Vá à merda!", pensei. Já que eu estou aqui nesta tv, eu vou é assistir o recap e o final logo. Preparei o kit-sobrevivência comidas e bebidas, remédio para o coração e sentei na frente da tv. Ah, também deixei meu cardiologista de sobreaviso, caso meu coração não resistisse.
Frustrei-me! Nada de fortes emoções, e descobri que meu raciocínio é lento, pois eu suspeitei de um mundo paralelo na parte em que Locke está furando o pescoço de Jack na ilha e na "vida real" ele começa a sangrar e várias coisas.
Não sou bom em críticas e nem isso é uma crítica da série. Mas achei o final tão "Alma Gêmea", com todas aquelas luzes espirituais, e a dica de que eles estão seguindo adiante[evoluindo?]. Nem precisei dos remérdios tarja preta, nem tão pouco do meu médico de olhos azuis. Como também, depois de tudo, desisti de baixar todas as temporadas. O que passou, passou. Não volta mais. Mas gostei do final [Eu acho!].
Mas quem assistiu tudo, diga aê. Vale ou não a pena ver tudo?
GRITO, GRITO E GRITO!

terça-feira, 25 de maio de 2010

Devido a todo o tempo que eu levei para tomar coragem para viver o que eu queria, passei a acreditar, talvez para justificar a demora, que as coisas acontecem quando elas tem que acontecer. Tudo acontece em seu tempo determinado [será?].Se eu tivesse tomado a decisão de correr atrás do que eu queria logo que eu terminei o ensino médio 11 anos atrás, eu não teria encontrado as pessoas que eu encontrei, e me tornado o que eu me tornei. Sim, estamos em constante construção, sempre adicionando novos conceitos, abandonando outros. Posso afirmar que eu não sou o Visão de 11 anos atrás, como também posso afirmar que, desde que eu comecei a escrever neste blog e interagir com vocês, eu mudei muito mais. Estou mais corajoso, aceitando quem eu sou e sempre buscando ser alguém melhor.
Eu estou escrevendo isso para atender a proposta feita pelo Paulo B. , e postar a música que marcou a minha vida - falo da decisão de mudar e toda a crítica que eu sofri por abandanar o curso faltando um ano para concluí-lo. Sim, minha gente, há um ano de pegar o meu diploma, eu pulei fora, e consequentemente, sofri toda a sorte de críticas que vocês conseguirem imaginar. Foi então que eu ouvi está música:

video

E desde então este tem sido o meu hino oficial.
GRITO, GRITO E GRITO!

segunda-feira, 24 de maio de 2010

sem título *

Eu não tenho dúvidas a respeito do que eu quero para a minha vida. Talvez eu tivesse na época em que "escolhi" ser médico, enfermeiro, farmacêutico, tudo para seguir os passos de minha mãe. Foi algo imposto a mim e nesta época eu não tinha coragem o suficiente para enfrentar e decidi por mim mesmo que caminho seguir. Também não posso dizer que a minha mãe me obrigou, mas afirmo que ela o fez através de mensagens subliminares de efeito imediato, do tipo "se você gosta de escrever, faça medicina e escreva livros de medicina" ou "você nasceu para ser médico", obrigando-me a satisfazer os seus desejos.
Eu sempre admirei a minha mãe e todo o trabalho que ela teve para nos criar sem o apoio do meu pai [que o inferno o guarde em fogo alto]. Foram anos de ausência por causa de seu trabalho em três hospitais, e quando eu queria vê-la, tinha que ir ao hospital e aguardar o intervalo entre um cirurgia e outra. Fim de semana com minha mãe? Nunca existiu. Sempre havia uma mulher parindo [ou terra sem controle de natalidade, minha gente]. E todo este esforço dela me levou a querer fazer a sua vontade, mesmo que consequentemente fosse a minha infelicidade.
Mas há tempo para tudo, e eis que um dia, eu acordei lindo e gay, sentido a necessidade de mudar e com coragem para fazer isso. Eu precisava recomeçar em um lugar onde ninguém me conhecesse, que eu não fosse apenas o "filho da minha mãe" e não tivesse referência; um lugar onde eu mesmo tivesse que me inventar e criar as minhas referências. Pedi demissão do trabalho, tranquei a faculdade e fui embora da minha cidade para fazer o que eu queria: JORNALISMO! Foi uma decisão difícil, mas era algo que eu precisava no momento. Nada de planos, apenas instintos de sobrevivência. E sobrevivi. Não foi fácil e tive que aprender a viver sem as mordomias que eu estava acostumado, e o que antes para mim era insignificante passou a ter valor. Quando eu tinha uma nota de R$10,00 eu me achava rico, enquanto antes de ter mudado de vida, eu achava que R$50,00 não era dinheiro. Virei cozinheiro, lavava as minhas roupas, arrumava o apartamento, e passei a ter uma VISÃO maior de mundo. Deixei de ser o filho mimado e que tinha tudo nas mãos. CRESCI em dois anos o que eu não tinha crescido em 26 anos de vida.
Minha familia não acreditava que eu conseguiria viver longe da proteção de minha mãe, e esperaram que eu voltasse em três meses. Mas isso não aconteceu. Superei as expectativas deles e ganhei mais admiração. Voltei por uma necessidade maior, mas isso não podou as minhas asas. Aprendi a voar. E voarei quantas vezes eu precisar.
GRITO, GRITO E GRITO!

PS: * o "sem título" é para dizer ao Alan que, como[ui!] ele, também não encontro títulos para o que eu escrevo.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

medicina

Eu perdi o meu encanto com a medicina mais uma vez, e agradeço por ter tomado a sábia atitude de fugir deste caminho tortuoso. A minha decepção começou quando eu via os inúmeros casos de pacientes e acompanhantes processando os médicos. Eles dizem "não é por dinheiro, é por justiça", mas no final, o que querem mesmo é obter lucro com a morte do ente "querido". Tudo bem que alguns médicos erram grosseiramente [já testemunhei vários erros], mas nem todos fazem isso, e quando erram, foi tentando fazer o melhor pelo paciente. Quando eu caminhei nesta área profissional, aprendi uma que o paciente vai com dois objetivos a um hospital: melhorar e provocar a demissão de alguém.
Já vi grandes médicos serem processados por erro médico, sem nem ao menos ter culpa, mas a "justiça" [quase sempre cega] ficar ao lado dos familiares que não economizam no choro. Tenho um exemplo na minha vizinhança, quando um médico conceituado, com o qual eu estava aprendendo a arte da cirurgia geral, havia solicitado uma urgência no internamento dele devido a perfuração no estômago causado em uma endoscopia causando uma hemorragia interna. Como estavam no consultório, ele deu a solicitação e pediu a família para levar com urgência ao hospital, sem explicar o motivo. mas os familiares resolveram levar o paciente para casa, dar comida, arrumar as malas, e quando o paciente entrou na emergência já estava em choque hipovolêmico e morreu. E sabe o que aconteceu no outro dia? Os familiares estavam na rádio dizendo que o médico matou o pai , marido, tio, avô deles.
Desse dia em diante decidi que, se depender de mim, nunca vou cuidar de filho da puta nenhum. Larguei a profissão, o desejo de fazer o melhor para o mundo, e fui dedicar a minha vida a algo que eu não tenha que me comprometer com a vida de ninguém.
Estou falando isso, só por causa de um episódio de Grey's Anatomy, em que a paciente morreu, e o marido dela voltou lá e saiu matando todo mundo, em nome de uma tal justiça. A mulher estava morta, ela tinha solicitado que era para desligar o aparelho por não querer viver como vegetal, mas ele se recusou. Mas o diretor decidiu por fazer a vontade da mulher. Veio o viúvo com a dor dele, e saiu matando os filhos, pais, irmãos, de outros, e querendo justiça por terem matado uma mulher morta.
Quer saber? Cuidar só do que é meu.
Grito, Grito, Grito!

terça-feira, 18 de maio de 2010

esclarecimento

Eu li um comentário do Paulo B. que dizia o seguinte: "[...] e eu todo imaginativo pensando que o rapaz era todo tipo sofrido, angustiado, de mal com a vida ...[...]".
Sim, eu me assombrei com isso, porque eu não queria passar essa imagem para vocês, mas ao mesmo tempo eu queria mostrar algo que eu nunca mostrei a ninguém: MINHA FRAQUEZA. Sempre fui aquele cara forte e que nunca dividiu a sua dor, suas frustrações e seus medos, ao contrário, sempre fui [e sou] um cara alegre e que transmite alegria a todos que estão a minha volta. E não é falsidade isso, mas é que eu nunca gostei de fazer o sofrido e o que necessita de carinho, e quando o fiz, por apenas uma maldita vez, não fui bem interpretado.
Meus problemas? Eu mesmo resolvo. E isso faz com que eu tenha que resolver os problemas de todo o resto da família já que eles se sentem seguros quando estou por perto. Até se for para comprar um remédio, advinham para quem eles ligam? Tá, talvez seja porque eu passei pela faculdade de farmácia, enfermagem, entre outras, eles acham que eu sou o sabe tudo. Família é cega, né? Eles ainda acabam morrendo em minha mão. Mas a verdade é que eles me amam muito, tanto quanto eu amo a cada um deles [tenho os preferidos, é claro]. Para vocês terem uma idéia, a minha família se reuni 3 vezes no ano: no natal, no ano novo e no meu aniversário. É claro que Reflexo não gosta muito, pois as pessoas lembram mais que é meu aniversário do que o nosso. E toda essa minha alegria de viver associada a capacidade de extrair sempre as coisas boas da vida reflete em minha vida fora de casa entre colegas de trabalho, colegas de faculdade e amigos mais próximos. Todos os anos, a não ser que eu resolva viajar, tenho 3 festas de niver: uma da família, outra dos colegas de trabalho e outra dos amigos. E embora eu não goste de tanta lembrança no meu dia [porque estou com quase trinta?], sempre estou confraternizando com estas pessoas importantes. SEMPRE!
Mas fora as dúvidas sobre Deus, os problemas com o meu pai [que já se foi, bjs!], não tenho mais problemas. Quero confessar que vocês são os únicos que conhecem meus medos e meus anseios e toda a dúvida que trago comigo, pois não gosto de demonstrar aos outros a minha fraqueza e talvez seja mais fácil fazer aqui, pois não terei que encará-los como se vocês me conhecessem de verdade. É como eu disse: passei tanto tempo usando a máscara da força que hoje já não tenho força para tirá-la .
E por aqui continuo sendo o Super-Herói que não teme a nada e que não se deixa abater com nada, o que não é uam mentira, pois não sou destes que chora pelo leite derramado ou se deixa abater facilmente, e quando o faço, me recupe rapidademente. A única coisa que me tiraria o chão é perder alguém que eu amo, ai eu posso demosntrar a fraqueza, mas só quando recebo a notícia e depois que resolvo todos os problemas. Enquanto a todos os problemas, eu tento resolver e quando não consigo deixo lá, e quem sabe um dia eu resolvo. Não sou de quebrar a cabeça, mas sempre luto pelo o que eu quero - principalmente agora que não tenho mais medo por ser gay. Estou sem medos, meu bem!
Por essas e por outras, apresentarei a vocês minha versão gay alegre de ser, e só quando for necessário mesmo, mostrarei o menino que precisa de um ombro para chorar. Beijos!
GRITO, GRITO e GRITO!

sábado, 15 de maio de 2010

resposta ao e-mail amigo


Querido AMIGO_IRMÃO

"Durante algum tempo fiz coisas antigas como chorar e sentir saudade da maneira mais humana possível; fiz coisas antigas e humanas como se elas me solucionassem. Não solucionaram."

Talvez você não acredite que eu tenha coração, mas a verdade é que não sabes da missa a metade. Essas coisas que nos fazem humanos e fracos, mas ao mesmo tempo forte; esses sentimentos que vem de forma arrebatadora e nos toma por completo, exigindo de nós, pobre seres humanos, força SOBREhumana, está ativo em mim. Fui tão intenso em cada momento com você [quando me ajudastes a superar a saudade que eu sentia de minha família se tornando a minha família] que o meu desejo é poder voltar a te ter por perto: voltar a respirar você, ouvir você, estar com você... Nem sempre as pessoas que aparecem em nossas vidas são para permanecer, por mais que seja isso o que mais queremos. Tudo fica assim: cheio de relatividades! Nós, seres humanos, somos apenas sonhadores.
Mas se há uma pessoa que eu quero por perto, mesmo distante, este alguém é você. Todo o tempo eu me lembro de tudo o que vivemos, e me pego elevando meus pensamentos ao desejo de ter você por perto. Sinto falta de nossas conversas, das brincadeiras, do seu jeito desajeitado de ser, e da forma como você se abusa por ser desastrado; lembro dos pés de "Cleó" que se agitam involuntariamente e da sua agonia por não conseguir controlá-lo. SINTO FALTA DE VOCÊ! Meus olhos estão cheios de lágrimas agora e já não consigo contê-las. Como é bom lembrar de você, meu amigo.
Sabe o que eu queria agora? Ver você correndo em minha direção para me dar aquele abraço louco, que se eu não fosse grande e forte, provavelmente me levaria ao chão. Essa lembrança me dá força para continuar, pois sei que enquanto você existir eu nunca estarei só.
Por que eu respondi ao seu e-mail se você falou que não precisava? Por me sentir livre do medo da saudade... Pois se eu escrevo para você, logo estou pensando em você e isso mantém você vivo em mim. Aplaca um pouco a dor da saudade. Drama, drama, drama! Para que tanto drama, não é? mas este sou eu: uma caixa MUITO GRANDE de drama, drama entrelaçado com amor, com a saudade, mais amor e o desejo de revê-lo em breve. E assim o farei. No Odonto Fantasy estarei por ai vestido de papai noel tropical [de cueca vermelha e gorro].
Amo-te com toda força e verdade em mim. Até breve.

P.S.: Se eu não falei mais com você é porque você vive quebrando ou sumindo o seu celular, IDIOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOTA! Largue de drama que esse papel dramático é meu. O seu é a comédia. Falei!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

seis coisas que eu sei sobre mim e vocês não sabem[até agora, é claro!]



Mesmo não tendo sido convidado por ninguém a falar seis coisas sobre mim, eu irei falar sobre seis coisas que vocês não sabem, pois não sou destes que se sente excluído ou mesmo sendo, fica calado. Sou de falar. Melhor dizendo: GRITAR!

- Sou um dos três filhos da minha mãe, e um dos 17 do meu pai. Sou o caçula do meu pai e o mais velho da minha mãe por apenas cinco minutos de diferença de Reflexo, que ficou com preguiça de pegar em meu pé para sair logo atrás e deixou que fossem buscá-lo.

- Tenho 28anos, sou moreno, 1,90m de altura, 89kg, frequentador assíduo de academia e ainda participo da aula de dança - danço forró e tenho molejo. Eu já fiquei 10kg acima do meu peso e não querer voltar a ficar "gordinho" é o que me motiva a frequentar a academia 5 vezes por semana.

- Como Caju, eu fui Adventista do Sétimo Dia, só que durante 23 anos. Para minha vida ser mais trágica, nasci com essa religião, mas consegui sair a tempo de manter minha sanidade.

- Sou bahiano e morei em Aracaju para fazer faculdade, ficar livre de meu ex e viver a vida plenamente. Mas larguei a faculdade [mais uma] e voltei para a Bahia onde estou residindo neste momento, e a saudade de Aracaju é constante em minha vida - sinto falta dela e de todos os moradores que me acolheram como se eu pertencesse a ela, fazendo-me pertencer a ponto de não querer outro lugar para viver.

- Todos os caras com quem me envolvi são mais novos que eu e não sou eu quem os escolho mas o contrário, mas isso não quer dizer que eu não ficaria com alguém mais velho. Mas eu adoro esses meninos da academia que se fazem de macho e depois estão em minha cama. Adoooooooooro o jogos de sedução e estes jovens de 19 - 22 anos estão animando os meus dias frios e me motivando ainda mais a permanecer por lá [na academia].

- Gosto de sexo selvagem, com pegadas fortes e fora da cama. Como Drummond, acho que o chão é a cama para o amor urgente e só uso a cama para descansar do amor. Enquanto tiver mesa da cozinha, sofá, banheiro, esqueço a cama. Já fiz amor no jardim de casa, com a lua como testemunha e a natureza fazendo a trilha sonora - pássaros, grilos, barulho das folhas agitadas pelo vento. E ainda tem a parte que eu fiz amor no centro-cirúrgico na época em que eu fazia faculdade de Enfermagem. O sexo não foi tão bom e por isso larguei a faculdade.

Tem mais coisas, mas como só deve ser seis, né?

Grito, Grito e Grito!

quarta-feira, 12 de maio de 2010

e-mail de um amigo


Hum... sinto sua falta.

Às vezes penso que você me esqueceu... tem tanto tempo que não me manda notícias, não liga, não responde as minhas mensagens de celular :/

Enfim, sei que você não quer perder tempo com isso, mas antes de você me deixar no passado para viver a vida nova (assim eu acho que você está fazendo), vou fazer um resumo.

Todas as noites antes de dormir eu lembro e tento te ligar, eu não consigo viver sem falar com você, isso me deixa muito triste, sem ouvir a tua voz, sem poder te abraçar, em quem confiar. Hoje me encontro ilhado numa cidade que não tem pessoas confiáveis. Enfim, sinto a sua falta. Dos conselhos, das verdades, dos risos, dos dramas, das suspeitas alheias, do confecionário, de tudo o que envolve VISÃO [na verdade foi o meu nome completo em letras maíusculas].

Bom... Era isso que eu tenho a dizer. Não aguentava mais.

Nem precisa responder, você tem várias coisas com que se preocupar agora, com novas pessoas também, né?! ( isso é normal, eu entendo) :///

mas enfim, TE AMO.


Amigo-Irmão


PS. Se tou pegando pesado, é pq tou sentindo falta e aprendi isso com vc, seu IDIOOOOOOOOOOOOOOOTA!

miss u.



segunda-feira, 10 de maio de 2010

VOLTEI

A tempestade passou. Na verdade ela teve seus efeitos catastróficos: olheira, perda de peso, cara de doido todos os dias que tive que eu acordar cedo [dormindo 2h por noite], para no final disso ser recompensado [eu espero!].
Abandonei o resumo de uma tese de 543 páginas, que quando eu cheguei na metade, já não lembrava nem o nome do autor. Nada de interessante havia no que ele escreveu, e em minha humilde opinão, foi mais encher linguiça que alguma coisa boa de verdade. Whatever! Esses professores que não tem o que fazer e acham que os alunos também são assim e irritam. Fica dica!
E ainda tem uma listagem de bioestatísca que todo o tempo eu fico me perguntando "para que eu tenho que aprender esses diabos destes cálculos infindáveis?". A minha profissão nunca na vida vai me obrigar a fazer isso, e se precisar, tem um programa que você insere os dados e ele te dá tudo pronto. Adoro a praticidade deste século. Professores, atualizem-se! Bjs
Cessada a parte da reclamação sobre a vida acadêmica, quero deixar registrado que eu senti tanta saudade. Não tanto de escrever, pois escrevi tanto estes dias que tenho crédito-escrita até a próxima vida, mas a saudade foi de ler vocês, pessoas que já fazem parte de meu cotidiano. Sim, saudade de ler tudo o que vocês escrevem, e suas singularidades, que se tornaram necessárias tanto quanto o alimento. Sentimentalismo barato? Não. Apenas é o que eu sinto.
E tem outra coisa: PODE VIR MIL TRABALHOS PARA FAZER E PROVAS, VOU RESERVAR UM TEMPO PARA LER CADA UM NOVAMENTE.
Voltando a ativa. Beijos a todos.
GRITO, GRITO E GRITO

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Devido a alguns problemas técnicos, na verdade é a merda de de 350mil e uns trabalhos que eu tenho que fazer, e outras 250mil e umas coisas que tenho para estudar, vou ter que ficar ausente deste mundo virtual que muito me encanta. Sim, vai ser difícil, mas é um mal necessário. São 05h34 minutos, e eu estou acordado, com cara de ontem. Será que esses professores não entendem que tenho 9 matérias e que eles passando trabalhos todos de uma vez, vai sobrecarregar o meu sistema que já não vale muita coisa? Acrescentei ao meu cardápio banana maça, guarana em pó, açai, café extra-super-mega-max forte, para ver se eu consigo sair vivo de tudo isso.
Se eu sair, prometo voltar.
Lamento por tudo que deixarei de ler sobre vocês, e lamento ainda mais perder a caneca da vaca. Estou me odiando, e quase considerando perder uma matéria para me empenhar nisso. Mas neste exato momento, parar para pesquisar as respostas me dá um tremor geral, só por causa da palavra PESQUISAR. Hoje eu me arrependo de não ter virado jogador de futebol. Poderia tá ai, enfiado em um clube europeu, ganhando muito dinheiro, a ainda desfrutando da companhia de alguns homens gostosos, e quem sabe correndo os risco [adoro o perigo!] de ser beijado em alguma comemoração louca por David Beckham. Tá, eu gosto de sonhar, e com essa noite a menos em meu cu[ui!]rrículo, vou ficar sonhando é o dia todo, e que seja com ele. Delicinha de papai.
Alguém aqui acha que eu vou ter coragem de tentar encontrar algum erro no texto digitado? Acho que não e peço perdão por isso. Meu cérebro só pede duas coisas: cama e David Beckham ao meu lado.Fuiz!
Beijos cheios de saudade.
GRITO, GRITO E GRITO!

sábado, 1 de maio de 2010

Segredos do meu pai

Se quisermos manter as coisas ocultas, temos duas opções: não falar com ninguém ou não guardar provas consigo.
Meu pai sempre foi de poucas conversas, com os filhos é claro, mas ele com todo o seu poder e sua falta de sentimento, guardou consigo provas do verdadeiro "eu" que ele sempre manteve escondido de todos nós. Sim, meus queridos amigos, enquanto arrumavam suas coisas para queimar, Reflexo e minhas outras irmãs, encontrou a bolsa de couro que ele levava consigo para cima e para baixo, e que ele ficava abrindo e olhando as coisas guardadas por um longo tempo nestes ultimos dias, antes de sua debilitação total. E sabe o que havia lá dentro? O grande orgulho que ele sentia por todos os filhos, pequenas lembranças que Reflexo e eu dávamos de presente a ele, e fotos, várias fotos, de todos os filhos. Havia em algumas fotos, segundo Reflexo, escrito o orgulho que ele tinha de mim. Mas como vou saber se ele não escreveu na foto de Reflexo e não na minha? A dúvida vai permanecer, pois as provas serão queimadas, pois não há quem queira ficar com elas. A vontade foi pedir a Reflexo para não queimar nada dele e mandar tudo para mim, e então o orgulho calou a minha boca. Espera ai! Nunca fui orgulhoso, pois acho que orgulho não enche a barriga. Vou aqui telefonar.
Falei com Reflexo e ele vai embalar todas as coisas do meu pai, pois eu quero fazer pós-graduação nos pensamentos dele, e quem sabe, compreender o que se passava naquela cabeça ôca, e naquele coração que não sabia demonstrar nada.
Eu posso ser sincero? A verdade é esta curiosidade, aquela felina que matou o gato e que ainda vai me matar, esta maldita que quer conhecer o mundo que sempre esteve fechado para mim. Quem sabe meu pai era gay também e por isso não ficou com nenhuma mulher, né? Quem sabe eu encontre a foto ou carta de algum amor que ele deixou para trás por medo. Garanto a vocês que é tudo para fins educativos.
Quero ler tudinho, já que minhas irmãs e Reflexo tem medo e querem se livrar das coisas do morto. Pego tudo para mim. Não tenho medo de mortos e nem das coisas deles.
Por isso eu GRITO, GRITO, GRITO!

Prêmio Dardos

Eu ganhei o Prêmio Dardos, um selo oferecido pelo querido @Raspante, do blog RASPANTE, TUDO ACABA AQUI. Eu fiquei tão feliz, que saí gritando para o quatro cantos e esqueci de vir aqui, agradecer ao @Raspante pelo carinho e pela companhia constante neste mundo blogueiro, e por achar que eu mereça o Prêmio Dardos.




Que é Prêmio Dardos?

O Prêmio Dardos é um reconhecimento dos valores que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc. que, em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, entre suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web.


Aqui vão as regras:

- Exibir a imagem do selo no blog.
- Exibir o link do blog que você recebeu a indicação.